Sem solução para fracasso, diretor e autor pediram demissão no meio de novela e causaram terror

Elenco de Cuca Legal (Foto: Divulgação)

Certos tipos de problemas são possíveis de serem perceptíveis antes mesmo que eles aconteçam. O caso da novela que citaremos a seguir foi uma união de muitas decepções e a pressão vinda dos chefões da Globo.

Veja também – Por onde anda a atriz da novela das sete que destruiu carreira após esfaquear um médico?

Era uma época em que os investimentos em teledramaturgia ainda eram embrionários, em meados dos anos 70. Afinal, a emissora carioca acabava de começar sua história e recebia forte investimento de capital estrangeiro, para que pudesse dar certo e finalmente superasse as líderes de audiência.

Os primeiros anos da Globo foram difíceis, uma vez que existia a barreira da consolidada e pioneira TV Tupi, além da TV Excelsior que era reconhecida por ser uma concorrente de alto nível para os padrões daquele período.

A Excelsior saiu da frente e restou a Globo derrubar apenas a Tupi, o que era uma missão mais fácil do que concorrer com duas gigantes. Por isto, Cuca Legal (1975) estreou na faixa das sete, adaptando uma peça teatral de sucesso chamada Boeing-Boeing.

Veja também – Desrespeitado por autora durante novela, ator global expôs boicote: “Falta de senso de respeito”

O título da trama fazia referência ao filho que o protagonista sonhava ter. Ele queria ser pai de um garoto com a “cuca-legal”, expressão que faz referência a pessoas corretas, que costumam evitam problemas.

A peça se chamava Boeing-Boeing porque a figura principal da história era um piloto de avião. Tanto nos palcos, quanto na telinha, o ator foi o mesmo: Francisco Cuoco. Ele se dividia entre três esposas, cada uma de um lugar diferente.

Com uma queda de 10 pontos de audiência em relação a antecessora Corrida do Ouro (1974), a novela passou a contar com cobranças por parte dos chefões que comandavam o canal de TV dos Marinho.

Veja também – Vai levar para a cova: Saiba qual atriz vive com mágoa até hoje por conta de intriga em novela das nove

O primeiro resultado da pressão foi o pedido de demissão do próprio autor. Sylvan Paezzo deixou o cargo principal da novela, fazendo com que Marcos Rey fosse convocado às pressas e estreasse na teledramaturgia global.

Jardel Mello precisou dirigir Cuca Legal às pressas (Foto: Divulgação)

Depois, o próprio diretor também pediu para sair. Oswaldo Loureiro deixou a direção da novela e foi sucedido por Jardel Mello. Em entrevista para uma revista da época, Loureiro atribuiu ao baixo investimento feito pela Globo à faixa.

Veja também – Fato ou teoria da conspiração? Veja cinco novelas globais com supostas mensagens subliminares

O pesquisador Nilson Xavier documentou um trecho do depoimento do diretor, estampado na edição da Revista Amiga de junho de 1975: “Cuca Legal nasceu, cresceu e se perdeu […] Uma ideia que tinha tudo para ser abordada da melhor forma possível, acabou se diluindo“.

“[…] As condições de que dispúnhamos eram as mais precárias possíveis […] A falta de condições de Cuca acelerou esse processo de degeneração da novela, tornando-a alvo de críticas à sua monotonia e repetição“, criticou Oswaldo Loureiro, que pediu demissão quando a novela estava no capítulo 100.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.