O Rei do Gado causou por discutir tema polêmico que gerou ameaça e revolta de chefão da Globo: “Me ligou muito bravo”

(Foto: Reprodução)

Quem hoje vê o sucesso absoluto de O Rei do Gado, que ganha mais uma reprise na Globo, e sempre registrando bons índices de audiência, não imagina a dor de cabeça que a novela causou na emissora carioca na época da sua exibição original.

Escrito por Benedito Ruy Barbosa, o folhetim deu o que falar por discutir temas polêmicos para a época, como a vida dos trabalhadores do Movimento Sem Terra (MST) e a Reforma Agrária, o que teve grande repercussão na mídia e na sociedade em geral. A novela, aliás, estreou apenas dois meses após a morte de 19 pessoas que faziam parte do movimento sem-terra em uma cidade do Pará, fato que tomou conta do noticiário na época e que gerou muita discussão.

Quando o folhetim estava no auge abordando esses temas, o autor chegou a receber um bilhete anônimo em sua casa em tom de ameaça: “Parabéns pelo que você arranjou. Sou fazendeiro e se aparecer alguém aqui como os de sua novela, aumento o muro três metros para ninguém sair mais”.

Revolta de diretor da Globo

A abordagem desses temas chegou a dividir opiniões dentro da própria Globo, e causou revolta no próprio chefão da emissora na época, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni. Em uma declaração para o livro Biografia da Televisão, Benedito Ruy Barbosa revelou que o manda-chuva do canal chegou a telefonar para ele, irritado, questionando por que o autor não havia lhe comunicado com antecedência que O Rei do Gado abordaria essas questões espinhosas.

Veja também: resumo dos próximos capítulos de O Rei do Gado

“Um dia, o Boni me ligou muito bravo porque eu coloquei os sem-terra na trama. Ele queria saber o porquê de não aparecer essa informação na sinopse”, relatou o novelista, que precisou se explicar bastante para o chefe e prometer tratar dos temas com cautela para receber sinal verde e continuar explorando esse núcleo na trama.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.