Com mais de 40 anos de Globo, saiba qual autor travou guerra na Justiça após ser demitido sem direito a nada

Logo da Globo (Foto: Divulgação)

Uma guerra entre dois grandes parceiros, que tiveram uma relação de cumplicidade e trabalho que durou 41 anos, acaba de ser iniciada. O autor Euclydes Marinho alega ter passado a viver de suas reservas financeiras, depois de ter sido demitido da Globo sem receber os direitos trabalhistas.

Veja também – Cinco novelas que estão lacradas no arquivo da Globo e não vão sair tão cedo de lá

De acordo com informações do Notícias da TV, o novelista pede uma quantia equivalente a R$ 3,5 milhões por tudo o que deixou de receber depois de uma tática que tornou-se comum entre as empresas de mídia no Brasil. Para poupar os gastos com FGTS e afins, carteiras assinadas estão sendo transformas em contratos de pessoa jurídica.

Isto faz com que as empresas passem a economizar certos proventos, uma vez que passa a pagar apenas o salário, sem as taxas extras que normalmente ocorrem entre os empresários que optam pelas carteiras assinadas (décimo terceiro, férias e dentre outras taxas).

O caso corre em segredo de Justiça, no TRT (Tribunal Regional do Trabalho), e revela uma polêmica diante de uma parceria que durou tanto e rendeu tantos frutos. Quando não era autor de novelas, Marinho costumava supervisionar roteiros e era figura frequente no setor de dramaturgia.

Veja também – Frustração: Criador da faixa das seis da Globo deixou o país após fracasso que jamais será reprisado

Em 2019 com o início do projeto Uma Só Globo, ele fez parte das dispensas e cortes de gastos milionários. A Globo venceu o processo, que coube recursos. Euclydes Marinho afirma que a mudança para PJ teve objetivo de despistar as legislações trabalhistas, o que a emissora carioca comprova não ser verdade.

Euclydes Marinho teve uma longa história com a Globo (Foto: Divulgação)

A Globo afirma que, ao deixar de lado a CLT e passar a ter o autor a partir da Euclydes Marinho Produções Artísticas Ltda, o objetivo era dar maior liberdade artística ao prestador de serviço, uma vez que ele deixava a exclusividade e passava a fazer seus trabalhos conforme bem entendesse. Tanto é que, sequer o autor tinha um crachá ou horário específico para trabalho.

Veja também – Carne e unha no passado, autores globais consagrados travaram guerra após entrevista polêmica

Entre sua longa estadia na empresa, Euclydes esteve entre as criações de novelas como Brilhante (1981), Mico Preto (1990), Andando nas Nuvens (1999) e Desejos de Mulher (2002). Fora isto, o dramaturgo era presença forte em produções de séries, seriados e filmes da Globo.

Procurados para comentarem o assunto, a Globo respondeu que não pode comentar processos judiciais. Da parte do ex-autor global, ele não foi encontrado para dar suas declarações sobre o assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.